sábado, 26 de junho de 2010

Pensar a educação...

Tive recentemente a oportunidade de participar numa Missão Aventura Solidária, com a AMI, numa das zonas mais pobres do Senegal. Entre o projecto em que estivemos envolvidos e o contacto com a comunidade, visitámos duas escolas, a de Kaba e a de Parba. Esta última foi a que mais me impressionou. A escola não era mais que 5 palhotas, deitadas pelo vento, com umas mesas lá dentro e um quadro preto pendurado em paus. Sentar-me numa destas "salas" de aula foi uma experiência emotiva e transformadora. Queixamo-nos de tanto quando há tanta gente no mundo sem as mínimas condições para trabalhar, quando há meninos e meninas que aprendem sentados no chão, entre o pó, sem material escolar do mais básico que existe, como um caderno e um lápis.



E ali, naquele sítio onde tudo parecia impossível, havia uma coisa que aqui pergunto onde anda... respeito. À entrada na sala, todos os meninos se levantavam sem uma única palavra da professora. À saída, ordeiramente, cada fila de alunos aguardava a sua vez. Na entrega de material escolar à comunidade, não houve uma única criança que ousasse tocar em nada, apesar de também nada ter e a tentação poder ser muita (pelo menos no nosso entender). Os olhitos brilhavam a olhar os lápis de cor, as canetas, os cadernos, mas ninguém tocou em nada com um dedo que fosse e não foi preciso alertá-los para que o fizessem. E havia sorrisos. Muitos. Orgulho em andar na escola, em aprender. Orgulho em mostrar as palavras que iam desenhando nos cadernitos sujos e gastos. Ali, naquilo a que vulgarmente chamamos "fim do mundo", encontrei eu o princípio. Os princípios, a essência do ser humano. Aquilo que nós aqui, apesar de todas as condições que possamos ter, perdemos.
Há tanto, tanto para fazer por esse mundo para que a educação seja, efectivamente um direito de todos, principalmente das crianças! Porque só com a educação pode haver desenvolvimento, mudança, transformação.

2 comentários:

Anabela Luís disse...

Obrigada, Mafalda, em nome não sei bem de quê, mas que nos une certamente, porque queremos um mundo melhor... :)

Anabela

Ana disse...

Olá!
Eu estava a ler o post e a perguntar-me como é que é possivel?!
Estas crianças sem condições nenhumas, apenas com um caderno e um lápis e um desejo enorme em aprender!

A meu ver, o nosso ensino precisa uma mudança radical. A começar pelo respeito entre professores, alunos. Haver respeito pela instituição escola!
Só assim poderemos obter o sucesso escolar tão aclamado pelo nosso governo!

Bjs!