quarta-feira, 2 de julho de 2008

Portefólio Digital? Uma boa escolha?

Conceito:

«Os portefólios electrónicos em contexto educacional são portefólios que possibilitam que a colecção dos materiais coleccionados (artefactos) inclua quer documentos em formato texto quer documentos em formato gráfico, vídeo, áudio (Barrett, 2000:3) e inclusive hipermédia. Estes portefólios respeitam a filosofia subjacente ao conceito educacional de portefólio, considerando a vertente reflexiva do aluno quando selecciona os materiais para o seu portefólio. No caso dos portefólios de aprendizagem e de avaliação das aprendizagens dos alunos, os portefólios permitem que os alunos, à medida que constroem a sua colecção, tenham a oportunidade em analisarem o seu trabalho e de porem em prática, com a ajuda do feedback fornecido pelo professor, as suas capacidades de auto-avaliação e de auto-regulação, tornando-se estudantes mais autónomos e responsáveis quer pela sua aprendizagem quer pela sua avaliação.»
Fonte: Ana Paula Alves

«Porquê um portefólio digital?

Maior facilidade de criação de um portefólio multimédia com integração de imagem estática, animada ou vídeo, texto e som
• Permitir a adopção de uma estrutura hipermédia na organização da informação com recurso a hiperligações internas, entre diferentes documentos ou mensagens do portefólio, ou externas para recursos disponíveis na web.
• Não menos relevante é o facto de algum do software que pode servir de suporte à elaboração de portefólios digitais permitir a colocação de comentários e contributos que incentivam a uma construção crítica e colaborativa do portefólio.»
Fonte: Portefólios digitais: revisitando os princípios e renovando as práticas.

2 comentários:

José Fialho disse...

Boa tarde!!!

Parece-me que os portefólios digitais são, sem dúvida nenhuma, o futuro, pois nesta nossa nova sociedade que se ergue, as TIC são essenciais.
No entanto, a minha dúvida prende-se com o facto de me parecer muito complicado para alguns adultos que recorrem aos CNO, elaborar um e-portefólio, devido à quase inexistência de conhecimentos em informática! No entanto, parece-me lógico também que não se excluam esses adultos desse novo instrumento! Mas a pergunta impõe-se: Assim, quem é que realiza o trabalho de construção/arquitectura do portefólio digital?

chicoliva disse...

Boa tarde.
“nesta altura do campeonato” em que a água potável escasseia e não se vislumbram estudos para a dessalinização da agua dos mares, teremos que pensar muitíssimo mais nas florestas. Repensar o uso e o futuro das árvores e tudo o que em seu detrimento dê papel
É impensável pensar em consultar minuciosa ou criteriosamente tanta informação nos amontoados de papel, ou rebuscar um parágrafo que seja no meio de um capítulo.
Sou apologista do “digital”. Somos carne por dentro e digital por fora: Relógios com telecomando, calculadora, agenda telefónica e outros; telemóvel 3G; iphone 3G; ipod; pacemakers e pulseiras electrónicas para os menos sortudos, etc…etc.
Se a apresentação de um portefólio for digital, porquê duvidar se o apresentador é o seu autor? Não podemos nem devemos passar o pouco tempo de vida a duvidar do nosso semelhante, se para isso não houver razão. E essa razão poderá , muito facilmente, ser eliminada pela verificação “in loco” ou análise dos antecedentes…
Nem todos sabem?! Pois não, mas todos podem ficar a saber. Basta quererem….