quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Passos para a criação de um Portefólio.

"1. Estabelecer um conjunto de regras básicas para a colecta de itens que devem ser arquivados para a pesquisa;
2. Colectar mostras dos trabalhos e material de pesquisa: fotografias, registros escritos, avaliações, desenhos, entre outros;
3. Registrar, arquivar e documentar o trabalho, durante todo o seu desenvolvimento;
4. Transformar os registros em material de consulta e reflexão contextualizada;
5. Preparar e conduzir pesquisas e entrevistas, tabular dados e registrar resultados em tabelas e gráficos, organizando as informações;
6. Realizar registros sistematizados, usando fundamentação teórica e referências bibliográficas. Confrontar os conhecimentos do senso comum com os conhecimentos teóricos;
7. Realizar registros de caso: observações, análises, avaliações e reflexões sobre o trabalho desenvolvido com a turma. Estes registros estão relacionados com a conduta e as interacções do próprio autor (Mediador/Profissional/Formadores), seus valores, seus costumes e principalmente seu envolvimento com os alunos, com a família e a comunidade escolar, registrando a aprendizagem e revendo conceitos;
8. Preparar “memórias”, suas e dos alunos que contenham: plano de acção, os progressos conseguidos, o desenvolvimento dos alunos no processo ensino-aprendizagem, as dificuldades, hipótese e alternativas possíveis;
9. Reunir com os alunos e outros colegas para socialização dos registros, avaliação e novos encaminhamentos que contribuam para o sucesso do trabalho;
10. Ao final das actividades, o Portefólio estará pronto e será um arquivo, um documentário demonstrativo do trabalho realizado por todos os envolvidos no processo de construção de conhecimentos."
Fonte e mais informação aqui.

2 comentários:

FM disse...

Grande ajuda, este blog tem me ajudado bastante na elaboração do meu portefólio, mas acho que os CNO'S estão a dar puco tempo aos formandos para aprefundar os temas.
Já expus essa questão ao meu CNO, pois para fazer um bom trabalho e digno de ser apresentado para dar equivalência ao 12º ano não deve ser feito de qualquer maneira á que ter zelo.

Mafalda disse...

É com grande satisfação que vejo o comentário de um adulto em processo ir neste sentido. Só que não devia ser necessário serem os adultos a colocarem essas questões! Aliás, muitas estão contempladas na Carta de Qualidade dos CNO. Será que alguns a leram?... E como está a ser feita a sua monitorização?... Confronto-me diariamente com estes dilemas.
O processo deve ir ao ritmo do adulto e não o contrário. As eternas "metas" e a falta de formação no terreno contribuem para este cenário.
Bom trabalho "fm"!