domingo, 27 de setembro de 2009

Teoria da Flexibilidade Cognitiva

A Teoria da Flexibilidade Cognitiva surgiu na década de 80 e filia-se em pressupostos construtivistas. Desta forma, não tem como preocupação a mera aquisição de conhecimentos, mas, sobretudo, a flexibilidade na mobilização dos mesmos.

«Foi ao constatar que os alunos tinham dificuldade em transferir conhecimentos para novas situações, que se caracterizavam por conhecimentos complexos e pouco-estruturados que os pressupostos desta teoria surgiram (Spiro et al., 1987; Spiro et al., 1988; Feltovich et al., 1989; Spiro e Jehng, 1990). Spiro e os seus colaboradores argumentam que se se pretende que os alunos usem flexivelmente o conhecimento, ele deve ser ensinado de uma forma flexível. Deste modo, deve-se permitir que o aluno aceda várias vezes à mesma informação mas com finalidades diversas, perspectivando, assim, a mesma informação através de diferentes ângulos, o que lhe vai possibilitar obter uma visão multifacetada do assunto e uma compreensão profunda», como neste documento é desenvolvido.

Tal como no filme “O Clube dos Poetas Mortos”, por vezes é interessante observar a mesma realidade de pontos diferentes; nesse momento, o cenário parece ser diferente. E enriquecemo-nos.

Sendo a competência algo que:

  • se refere exclusivamente à pessoa (é a pessoa que é competente, que tem competência para...);
  • é indissociável da acção (relaciona-se com o saber-fazer, ou seja, implica mobilizar conhecimentos e informações e aplicá-los na acção, em situações diferentes daquelas em que foram adquiridos);
  • implica assumir responsabilidades;
  • implica um reconhecimento social (os outros reconhecem que uma determinada pessoa é competente para...).

Então, também a competência permite a cada pessoa posicionar-se em ângulos diferentes e, flexivelmente, analisar de diferentes prismas realidades similares, munindo-se com novas habilidades e destrezas. E, assim, mobilizando e transferindo conhecimentos e saberes, o ser humano (auto)constrói-se e (re)adapta-se continuamente, integrando nas suas estruturas cognitivas condutas que lhe permitem responder aos desafios com os quais se depara no seu dia-a-dia.

1 comentário:

Ana Paula disse...

O chamado "Olho do Observador".