segunda-feira, 22 de junho de 2009

As três questões a pensar…

Quero destacar neste pequeno texto de reflexão, três questões que emergem da implementação, nos últimos anos, da certificação por via do processo de RVCC, ao nível da equivalência do Ensino Secundário. Falo dos efeitos “não previstos” desta certificação em várias co-relações estabelecidas pós processo.

a) Sendo o processo de RVCC assente na validação de competências adquiridas (?) ao longo da vida e estando as entidades do Ensino Superior (algumas já em parceria com entidades de outros sectores) a promover os Cursos de Especialização Tecnológica, não faz qualquer sentido que, um adulto que tenha completado o seu processo de RVCC de nível secundário e apresente o seu certificado para acesso a estes cursos, veja o mesmo ser equiparado à nota de valor 10, sem análise de portefólios ou outros mecanismos de seriação para o acesso. Há que repensar, entre entidades tutelares (ANQ, ME e MCTES) como fazer esta articulação para não criar desníveis injustificáveis.

b) A conclusão de um processo de RVCC de nível secundário permite uma diferenciação em função das competências detidas pelos adultos que pode ser um efectivo factor de valorização pessoal e profissional para os mesmos. Esta diferenciação passa pela creditação em função das competências evidenciadas. No entanto, essa mesma diferenciação não é visível nos certificados/diplomas pelo que, o seu efeito potenciador de reflexão e integração em contexto é perdido.

c) O trabalho feito pelas equipas, na orientação pós processo de certificação do nível secundário, para além do PDP, deve ser seguido de forma a promover uma orientação concreta no apoio aos adultos com vista à sua integração num contexto de formação superior ou profissional. Valorizar as vias abertas para a qualificação neste domínio é fundamental. Pode passar pela organização de “workshops”, “cursos de Verão”, “mostras de ofertas formativas” que complementem esse mesmo apoio.

Ficam três ideias para reflexão.

1 comentário:

Almeida disse...

Muito interessante a ideia de promover acções de informação e orientação para os adultos que terminam os seus processos de RVCC, com vista a uma fomação superior.
Quando me inscrevi neste processo de RVCC (nivel Secundário), um dos objectivos é exactamente seguir uma formação superior e no momento estou com algumas dificuldades em me orientar nesse sentido.