domingo, 18 de maio de 2008

Sessão de Júri e Reuniões de Acompanhamento – Mudança

Mais um conjunto de Júris de Validação levou-me ao encontro de situações tão curiosas como ilustrativas do que é, hoje, a Iniciativa Novas Oportunidades no “terreno”.

O primeiro destaque que deixo neste espaço refere-se ao júri que teve lugar no CNO da Escola Secundária da Mealhada. Curiosamente, os grupos de candidatos eram todos da Guarda Nacional Republicana. As apresentações feitas centraram-se na vida pessoal e no percurso profissional de daqueles que dedicaram uma vida à ordem pública. Uma das apresentações ficou-me na memória por explicar o significado e evolução do fardamento da GNR.

Este tipo de apresentações que as técnicas de RVCC solicitam aos adultos são muito interessantes e do ponto de vista da evidência de competências, altamente ricas.

Mas nem só de júris vive o avaliador externo… Duas reuniões de acompanhamento a CNO foram realizadas. Uma no CNO da Escola Secundária da Mealhada, outro no CNO da Escola Secundária de Arganil. Eis que as dúvidas são similares. E similar é também a preocupação de exigência, rigor e qualidade. Embora as dúvidas sejam, muitas vezes factores de entropia, a verdade é que a qualidade dos recursos humanos destes dois CNO são fundamentais e essenciais para o excelente trabalho que está a ser desenvolvido. O que mais me apraz registar, em ambos, é a vontade de que os adultos em processo não fiquem pelas competências mínimas, mas sim, apontem para o máximo, valorizando o candidato, o processo e a qualidade e credibilidade do mesmo.

E mais um júri. Desta vez, organizado pelo CNO da Escola Secundária de Sever do Vouga. Mas desta vez, em Ovar. Apenas certificações parciais. Candidatos que seguem a sua caminhada de aprendizagem via Curso de Educação e Formação de Adultos. Foi uma tarde das 14.00 horas às 20.30 horas em contacto com a realidade sentida e vivida por quem procura no processo uma forma de regressar à escola. Fica-me na memória os candidatos que falaram da sua situação profissional, nomeadamente da Yazaki Saltano. Fica também a memória de muitos candidatos que referem a escolha do Curso EFA para maior aprendizagem. O acompanhamento dados pela técnica de RVCC, quer pela sua qualidade, quer pela forma como explicou aos adultos os caminhos a seguir, revela competência e também a necessidade de explicar uma nova forma de integração no processo de aprendizagem que, nem sempre, é fácil de ser apreendida pelos adultos.

Por último, o CNO do Agrupamento de Escolas João Franco convidou-me para a mais um júri de validação para equivalência ao 9.º ano. Lá estive e como de hábito fui extremamente bem recebido. A equipa do CNO é muito dedicada e a forma como se relacionam com os candidatos reveladora de uma dedicação muito grande. Quero destacar os dois primeiros candidatos que acompanhei nestes dias. Um casal, de 73 anos, que vinha cumprir um sonho. Aquele que era tão simples. O de terminar o processo e obter a equivalência ao 9º ano. Depois de mais de 30 anos de trabalho nos Cafés Delta, e uma experiência profissional vasta, assim o conseguiram. São exemplos destes que fazem pensar aqueles que, logo algumas horas depois, diziam com 50 anos ou menos que já eram “velhos” para estudar. O saber não ocupa lugar nem tem idade. Estes e muitos outros exemplos a nível nacional provam-no.

Para terminar… quem gosta de cereja é altura de ir ao Fundão!

Mais uma vez, a todos, os meus sinceros parabéns e às equipas, o meu reconhecimento profissional pelo trabalho desenvolvido.

1 comentário:

Mafalda disse...

Gostei particularmente do exemplo de Sever do Vouga, CNO "amigo" que por várias vezes nos recebeu e orientou. Penso que é importante divulgar cada vez mais a ideia de que as certificações parciais serão, muito provavelmente, a fatia maior deste bolo recheado de cerejas que é o RVCC-NS!... ;)
Parabéns a todos pelos exemplos!
Mafalda Branco